SAÚDE

Se o seu filho fosse diabético: você saberia?

A incidência de diabetes tipo 1 em crianças de até 9 anos de idade aumentou em 21% entre 2001 e 2009
Portal RAC
faleconoscorac@rac.com.br
Foto: Divulgação
A incidência de diabetes tipo 1 em crianças de até 9 anos de idade aumentou em 21% entre 2001 e 2009.
A incidência de diabetes tipo 1 em crianças de até 9 anos de idade aumentou em 21% entre 2001 e 2009.
Várias teorias tentam explicar o recente aumento do diabetes entre os jovens, incluindo a deficiência de vitamina D, a falta de aleitamento materno e o excesso de medidas de higiene, que podem causar o colapso do sistema imunológico.

Todo pai/mãe diz coisas como essas:

"Eu não quero ouvir desculpas. Você não está cansado. Vá colocar o lixo para fora”.
"Você já foi ao banheiro, pode muito bem segurar até o fim do filme".
"Você não precisa de outro copo de água. Volte para a cama!".

“Todas essas frases são ditas em um momento ou outro, em todas as casas, mas precisam de um contexto. Se você as está repetindo o todo o tempo, há uma chance de que seu filho não seja simplesmente preguiçoso, guloso ou mal educado. Em vez disso, ele pode estar exibindo os primeiros sintomas de diabetes”, afirma o pediatra e homeopata Moises Chencinski.

Estamos todos cientes de que há uma epidemia de obesidade e de diabetes em adultos. Mas as taxas de diabetes não estão subindo apenas em adultos, elas estão aumentando em crianças, também. Um estudo recente, publicado no JAMA, descobriu que a incidência de diabetes tipo 1 em crianças de até 9 anos de idade aumentou em 21% entre 2001 e 2009. Durante o mesmo período, a incidência de diabetes tipo 2 entre jovens de 10-19 anos aumentou em 30,5%. Atualmente, mais de 200.000 crianças americanas têm diabetes. E se as tendências continuarem, esses números continuarão subindo. Então, se você é um pai/mãe, o diabetes definitivamente precisa estar no seu radar. Aqui está uma olhada no que esta doença é e como detectá-la:

Entendimento do diabetes

Existem dois tipos de diabetes que crianças ou adultos podem desenvolver. Aqui está uma breve explicação sobre cada um deles:

· Diabetes tipo 1: também conhecido como diabetes insulinodependente, diabetes infanto-juvenil e diabetes imunomediado. Neste tipo de diabetes, a produção de insulina do pâncreas é insuficiente, pois suas células sofrem o que chamamos de destruição autoimune. Os portadores de diabetes tipo 1 necessitam de injeções diárias de insulina para manter a glicose no sangue em valores normais. Há risco de vida se as doses de insulina não são dadas diariamente. O diabetes tipo 1, embora ocorra em qualquer idade, é mais comum em crianças, adolescentes ou adultos jovens

· Diabetes tipo 2: também chamado de diabetes não insulinodependente ou diabetes do adulto e corresponde a 90% dos casos de diabetes. Ocorre geralmente em pessoas obesas com mais de 40 anos de idade, embora, na atualidade, seja diagnosticado com maior frequência em jovens, em virtude de maus hábitos alimentares, sedentarismo e estresse da vida urbana. Neste tipo de diabetes, a insulina está presente, porém sua ação é dificultada pela obesidade, o que é conhecido como resistência insulínica, uma das causas de hiperglicemia. Por ser pouco sintomático, o diabetes, na maioria das vezes, pode permanecer por muitos anos sem diagnóstico e sem tratamento.

“O diabetes tipo 1 age rapidamente, muitas vezes, tornando as crianças gravemente doentes dentro de semanas. O tipo 2 é furtivo e os seus sintomas se desenvolvem ao longo de meses ou anos. Sem tratamento adequado, ou outro tipo de atendimento médico, pode conduzir a danos nos nervos, doença do coração ou cegueira”, afirma o médico, membro do Departamento de Pediatria Ambulatorial e Cuidados Primários da Sociedade de Pediatria de São Paulo.

Distinguir as bandeiras vermelhas

A boa notícia sobre diabetes é que ambos os tipos são tratáveis. “As crianças com diabetes tipo 1 podem viver vidas longas e saudáveis, com a ajuda da insulina, boa dieta e exercícios físicos. As crianças com diabetes tipo 2 podem, muitas vezes, controlar sua doença apenas com a dieta, ou até mesmo ficarem livre do diabetes quando mudam seu estilo de vida. Mas nós não podemos ajudar essas crianças até diagnosticá-las. E, infelizmente, a maioria dos pais não consegue reconhecer os sintomas do diabetes em crianças. Uma pesquisa britânica, por exemplo, constatou que apenas 14% dos pais conhecem os principais sinais de alerta do diabetes tipo 1”, informa Chencinski.

Como resultado, as crianças podem sofrer por semanas ou meses com o diabetes tipo 1, e durante anos com o tipo 2 não diagnosticados. E em todo esse tempo, a doença estará devastando o organismo. Então, como você pode proteger o seu filho? Conheça os sintomas do diabetes em crianças e mantenha os olhos abertos, porque no início eles podem ser sutis. Confira uma lista deles:

· Excesso de sede e fome;

· Perda de peso;

· Constante necessidade de "fazer xixi";

· Fadiga;

· Boca seca;

· Visão embaçada;

· Problemas respiratórios;

· Comichão na pele;

· Dormência nas mãos ou nos pés;

· Feridas que se curam muito lentamente.

Crianças com diabetes tipo 2 também podem desenvolver uma doença de pele chamada acantose nigricans, caracterizada por hiperqueratose (excesso de queratina) e hiperpigmentação (lesões de cor cinza e engrossadas, que dão um aspecto verrugoso). Embora possa ocorrer em qualquer local da superfície corpórea, a área mais atingida é a região posterior do pescoço, seguida pelas axilas, face lateral do pescoço, superfícies flexoras dos membros, região periumbilical, inframamária, mucosa oral ou mesmo, em casos raros, planta dos pés e palma das mãos.

“Se há um histórico de diabetes na família, é preciso ser especialmente vigilante. Além disso, manter um olhar atento sobre o filho, se ele está acima do peso. Se você notar qualquer sintoma que o preocupe, não hesite em marcar uma consulta imediata com o pediatra. Pode ser assustadora a ideia de que seu filho tenha diabetes. Mas, como pai, é preciso encarar os fatos. E o fato é que, com diabetes, cada dia de diagnóstico tardio conta. Portanto, se o seu filho está constantemente cansado, com fome, com sede, irritado... Não se arrisque. Em vez disso, tome providências”, aconselha o pediatra.