LIPÍDIOS

Os tipos de gordura dos alimentos e suas consequências para a saúde

Especialista fala sobre a importância e os perigos dos lipídios na saúde
Portal RAC
faleconoscorac@rac.com.br
Foto: Divulgação
A função dos lipídios é armazenar energia
A função dos lipídios é armazenar energia
Vistas na maioria das vezes como vilãs da alimentação, as gorduras têm papel fundamental no organismo e não podem faltar em nenhuma dieta. Entre as principais funções desses compostos, também conhecidos como lipídios, estão o fornecimento de energia e a participação em vários processos do corpo, como proteção de órgãos, transporte de vitaminas e formação de hormônios.

De acordo com o médico endocrinologista, especialista em fisiologia do exercício e metabologia Mohamad Barakat, um dos principais motivos para que as gorduras tenham essa fama é seu alto teor de calorias: "Elas fornecem mais do que o dobro de energia que proteínas e carboidratos. Por isso é tão importante que o consumo seja feito de forma regrada, sempre respeitando as particularidades de cada metabolismo".

Além de procurar um especialista que possa sugerir a dieta equilibrada ideal, é vital que as pessoas conheçam os tipos diferentes de gorduras encontradas no que comemos. "Essa informação é fundamental e faz bem para a saúde, permitindo que a pessoa tenha consciência do que consome e possa fazer uma escolha efetiva a favor de uma vida mais saudável", coloca o médico.

Entendendo as gorduras

Segundo Barakat, as gorduras podem ser divididas em três tipos básicos: insaturadas (divididas nos subtipos monoinsaturadas e poli-insaturadas), saturadas e trans. A diferença fundamental entre essas categorias está na composição química dos nutrientes, sendo classificadas de acordo com o tamanho da cadeia de carbono e o nível de saturação, entre outros fatores determinantes para o modo como o corpo absorve essas substâncias e o efeito que terá no organismo.

"Quando falamos em gorduras insaturadas, estamos falando de lipídios provenientes principalmente de vegetais. Essa gordura é líquida na temperatura ambiente e está presente em alimentos como abacate, azeite de oliva, óleo de girassol e de milho, amêndoas, castanhas e outras oleaginosas. Além disso, essas gorduras são os atrativos de peixes gordos como truta e salmão e são responsáveis por aumentar o nível de colesterol bom (HDL) no organismo", enumera Barakat.

O médico ainda explica que esse tipo de gordura ajuda a reduzir o colesterol ruim (LDL) e o triglicérides, além da pressão arterial. Dessa forma, o consumo de maneira correta pode prevenir doenças cardíacas, mantendo um coração saudável.

Saturação redimida

Por muito tempo creditada como vilã da saúde, a gordura saturada tem sido alvo de diversos estudos. Segundo algumas pesquisas, esse lipídio encontrado principalmente em produtos de origem animal, como carnes vermelhas e brancas, pode ter efeito contrário.

"Por cerca de 40 anos, essa gordura tem sido evitada como fator de risco para doenças cardíacas. Entretanto, os estudos feitos sobre essa colocação não conseguem achar nenhuma associação entre esses fatores - um dos mais recentes foi publicado pelo periódico British Medical Journal, um dos mais importantes da área médica. Muito pelo contrário, o lipídio tem demonstrado propriedades semelhantes às gorduras insaturadas, diminuindo a incidência de doenças cardiovasculares", cita o médico.

Verdadeiro vilão

Se por um lado as gorduras saturadas foram redimidas, o mesmo não pode ser dito das gorduras trans. Esse tipo de lipídio artificial é formado por um processo químico conhecido como hidrogenação, que transforma óleos vegetais líquidos em gorduras sólidas. Esse composto é largamente utilizado em alimentos industrializados para melhorar seu aspecto e consistência, além de aumentar a durabilidade.

Essa substância eleva o colesterol ruim (LDL) e diminui o bom, aumentando a obesidade abdominal e até os processos inflamatórios do nosso organismo, isso sem falar no aumento do risco de desenvolver diabetes. Mesmo causando tantos problemas, esse tipo de gordura está presente em uma extensa gama de alimentos consumidos em larga escala, como fast food, biscoitos, massas, bolos industrializados, sorvetes, frituras, salgadinhos de pacote, sopas e cremes industrializados, doces e pratos congelados, entre outros.

"Um agravante é que muitas vezes esse composto vem escondido na tabela nutricional. Como é o próprio fabricante quem escolhe qual porção vai sugerir, ele pode fazer um cálculo simples para sumir com a concentração de gordura saturada. O segredo é ficar de olho na composição dos produtos. A presença de gordura hidrogenada ou parcialmente hidrogenada e óleo vegetal hidrogenado ou parcialmente hidrogenado é indicativo de que certamente há gordura trans em sua composição", finaliza Barakat.