SAÚDE

Tudo que você precisa saber sobre a pílula do dia seguinte

A pílula do dia seguinte funciona como um método contraceptivo de emergência e não protege contra doenças sexualmente transmissíveis
14/05/2015 | - Atualizado em 14/05/2015 - 20h18 Mariane Montedori
mariane.montedori@rac.com.br
Foto: Divulgação
A pílula do dia seguinte pode ser retirada gratuitamente nas unidades de saúde sem a exigência de receita médica
A pílula do dia seguinte pode ser retirada gratuitamente nas unidades de saúde sem a exigência de receita médica
Pílula do dia seguinte! Só de ouvir esse termo já te dá arrepios? Que ótimo! Significa que você sabe que não é o método mais indicado para evitar uma gravidez. No entanto, ela pode ser útil para uma necessidade. Mas já adiantamos: o uso contínuo prejudica sua saúde. Dadas as premissas da matéria, vamos colocar todas as cartas na mesa. Afinal, qual o mistério por trás da pílula do dia seguinte? Quando usar? Quais os malefícios? Olha só:
O que é? É uma pílula de emergência, utilizado depois do ato sexual para evitar a gravidez por ter doses altíssimas de hormônios, impedindo que o óvulo fecundado grude na parede do útero e gere um bebê. Mas não esqueça: essa pílula não é um método abortivo nem anticoncepcional, muito menos evita doenças, apenas a gravidez.

Você também poderá se interessar por:
- 08 remédios que parecem inofensivos mas não são
- TPM: O antes, durante e depois da menstruação
Eu posso tomar? Esta medida só deve ser usada em caso de emergência mesmo, como se a camisinha estourar na hora H ou se você se esquecer de tomar o anticoncepcional. Depois de tomar, é só esperar a menstruação chegar (que provavelmente será adiantada) e pronto, vida normal again.

Você também poderá se interessar por:
- Menstruação marrom, como borra de café: o que é?
- 10 Coisas que você precisa saber sobre o coletor menstrual 

Como tomar? Existem dois tipos de pílula. A de única dose e a de dois comprimidos (um deve ser ingerido logo depois da transa e o outro, após 12 horas). Mas qualquer um dos tipos deve ser tomado em até 72 horas após a transa, caso contrário, o remédio perde a eficácia.

Faz mal? Como a gente já adiantou, faz mal sim. E muito! Imagine que esse pequeno comprimido tem muito, mas muito hormônio dentro dele. A quantidade é equivalente a dez pílulas anticoncepcionais normais! Por isso, tem efeitos colaterais bem chatos, como náuseas, dor de cabeça e mal-estar. Tome cuidado!

Você também poderá se interessar por:
- 5 dicas para não cometer suicídio na TPM
- Exercícios de até 15 minutos ao dia reduzem a barriga em 3 semanas

Pode usar sempre? Não! A pílula tem doses altas de progesterona (hormônio feminino) e se usada com frequência, perde a eficácia, além de desregular o ciclo menstrual, deixar a pele oleosa e causar acne.

Como comprar? É só ir à farmácia e pedir, já que a receita médica não é exigida. É bem tranquilo, e o comprimido custa em média R$ 10. É possível também encontrar de graça em postinhos de saúde. Mas vale lembrar que a melhor opção é o uso controlado de anticoncepcional bem como o uso da camisinha. Sempre consulte seu ginecologista para sanar dúvidas. 

Veja também