PARABÉNS
Mônica e Mafalda se encontram para comemorar aniversário
Mafalda comemora 50 anos de existência e o encontro dela com Maurício de Sousa ocorreu no Centro Cultural Brasil-Argentina, em Buenos Aires.
21/04/2015 - 17h28 | - Atualizado em 21/04/2015 - 17h37 Agência Estado
faleconoscorac@rac.com.br
Mônica e Mafalda se encontram para comemorar aniversário
Mafalda, a menina argentina mais famosa no mundo, recebeu em sua cidade natal, na terça-feira, 21, os parabéns por seus 50 anos da amiga brasileira Mônica, quase dois anos mais velha. O encontro das duas crianças cinquentonas ocorreu no Centro Cultural Brasil-Argentina, em Buenos Aires. 

Mauricio de Sousa, que colocou a dentuça no mundo em 3 de março de 1963, se reuniu com o argentino Joaquín Salvador Lavado Tejón o Quino, que "registrou" o nascimento de sua pupila em 29 de setembro de 1964. A pequena filósofa argentina apareceu de fato pela primeira vez em uma campanha publicitária em 1963, ou seja, tem a mesma idade de Mônica. Na ficção, a brasileira tem 7 anos e a argentina, 6.

O encarregado de aproximar os dois quadrinistas foi o embaixador brasileiro, Everton Vargas. Por casualidade, o local escolhido para Mauricio presentear Quino com o desenho das duas personagens - uma cópia está no lugar desde o ano passado - foi na vizinhança de Mafalda, o Bairro de San Telmo.

Mauricio, de 79 anos, criou Mônica inspirado na filha homônima. A menina gorducha, dentuça e baixinha apareceu pela primeira vez na "Folha de S. Paulo" e ganhou em 1970 sua própria revista. Suas histórias foram adaptadas para televisão, cinema e videogames.

Quino nasceu em Mendoza e aos 18 anos mudou-se para Buenos Aires. Publicou seus primeiros desenhos em 1954. Mafalda, uma menina de cabelos negros que não gosta de sopa - uma referência à ditadura militar - e contradiz os adultos apareceu no semanário “Primera Plana”. Suas histórias foram publicadas regularmente até junho de 1973. Ela é cultuada em vários países, principalmente na América Latina e no sul da Europa. Aos 82 anos Quino deixou de desenhar há sete, por problemas na vista.