SAÚDE

Disfunções na tireoide podem prejudicar a fertilidade feminina

Tanto o hiper quanto o hipotireoidismo podem desencadear problemas de fertilidade, embora seja possível engravidar mesmo tendo essas doenças
28/04/2015 | - Atualizado em 28/04/2015 - 14h28 Portal RAC
faleconoscorac@rac.com.br
Foto: Divulgação
A doença da tireoide está presente em 4% das jovens e até 15% estão em risco
A doença da tireoide está presente em 4% das jovens e até 15% estão em risco
Recente estudo publicado no jornal The Obstetrician & Gynaecologist revela a importância de se realizar exame de tireoide quando a paciente está enfrentando dificuldade para engravidar ou vem passando por abortos prematuros. Isto porque 2,3% das mulheres que apresentam infertilidade têm hipertireoidismo, contra 1,5% da população em geral. Essa condição também está associada à irregularidade menstrual. De acordo com Amanda Jeffreys, pesquisadora do SouthMed Hospital em Bristol, Inglaterra, quando o funcionamento da tireoide apresenta anormalidades pode interferir na saúde reprodutiva feminina – resultando em menores taxas de concepção, risco aumentado de hemorragias e problemas durante a gravidez e o parto.

Embora o estudo não tenha apresentado provas de causa-efeito, um expert norte-americano, Dr. Tomer Singer, afirma não estar surpreso com as descobertas, já que por décadas vem detectando uma relação significativa entre hiper e hipotireoidismo com a infertilidade. Atuando no Lenox Hill Hospital, em Nova York, o médico afirma que já incluiu o diagnóstico de doenças da tireoide para pacientes em busca de tratamento para engravidar.

Você também poderá se interessar por:
- Benefícios da medicina chinesa para uma vida equilibrada
- Complexo de Inferioridade: entenda o que é e saiba como se livrar dele

Na opinião de Assumpto Iaconelli Junior, especialista em Medicina Reprodutiva e diretor do Fertility Medical Group, tanto o hiper quanto o hipotireoidismo podem desencadear problemas de fertilidade, embora seja possível engravidar mesmo tendo essas doenças. Uma vez tratadas, a fertilidade se restabelece rapidamente. “O problema é que o hipotireoidismo costuma surgir durante a idade reprodutiva da mulher e, quando não tratado, pode causar infertilidade e abortamentos. Outra causa de infertilidade em pacientes com doença da tireoide é a falência ovariana, embora menos comum. Assim com a Doença de Graves e de Hashimoto, essa é uma doença autoimune causada pelas proteínas e células brancas no sangue que atacam outras proteínas no ovário da paciente. Nesse sentido, há uma diminuição relevante do tamanho dos ovários, problemas de ovulação, menopausa prematura e infertilidade”.

Com relação ao fluxo menstrual, o especialista diz que ele é maior no hipotireoidismo e menor no hipertireoidismo. “Os efeitos dos hormônios da tireoide no período menstrual, na função ovariana e no sistema endócrino em geral são complicados. Diante da variação dos hormônios da tireoide, uma variedade de efeitos no sistema reprodutivo pode ocorrer. Adolescentes que ficam doentes com hiper ou hipotireoidismo durante a puberdade costumam parar de menstruar, por exemplo. Isso requer tratamento imediato”, alerta Iaconelli.

Vale ressaltar que disfunções da tireoide são muito comuns na população e afetam vários órgãos. Como acabam afetando os ovários e os testículos, acabam interferindo na fisiologia reprodutiva, reduzindo as chances de uma gravidez e interferindo na gestação e no parto. “Embora as irregularidades na menstruação sejam comuns, a ovulação e a concepção ainda assim podem ocorrer quando se tem hipotireoidismo – em que o tratamento com tiroxina restaura o padrão menstrual e administra as mudanças hormonais. Em resumo, ter conhecimento do status da tireoide no casal infértil é fundamental, justamente por ser um problema importante e ainda assim reversível. Apesar disso, ainda há muito a ser investigado pela Ciência quanto ao impacto das doenças tireoidianas na infertilidade”, diz o médico.

Abortamento de repetição em pacientes com disfunção da tireoide

Distúrbios da tireoide também são comuns em mulheres durante o período reprodutivo. Além de interferir na fisiologia da reprodução humana, esse tipo de disfunção pode afetar adversamente a evolução da gravidez. “Depois da implantação, a manutenção da gravidez depende de múltiplos eventos do sistema endócrino que eventualmente contribuirão com o sucesso do crescimento e do desenvolvimento do feto. Entre 8% e 12% de todos os abortos espontâneos resultam de fatores endócrinos”, diz Iaconelli.

A doença da tireoide está presente em 4% das jovens e até 15% estão em risco, já que têm anticorpos positivos de tireoide. Sabe-se que há uma correlação importante entre imunidade da tireoide, por um lado, e infertilidade, aborto espontâneo e problemas durante e depois do parto. Até mesmo um hipotireoidismo discreto pode aumentar as taxas de abortamentos e perda fetal. Em resumo, mulheres grávidas com hipotireoidismo não tratado têm risco aumentado para complicações durante a gravidez, especialmente pré-eclâmpsia, mortalidade perinatal e abortamento. De acordo com o especialista, exames de imagem para detectar anormalidades na tireoide não costumam ser indicados com frequência, mas a função da tireoide deve ser avaliada nas pacientes que já tiveram perda fetal ou distúrbios menstruais.

Veja também