CIRCO SOCIAL
Artistas e educadores do Cirque du Soleil falam sobre Circo Social
Emannuel Bochud e Mariano Lopes estão no pais para o Encontro Anual da Rede Circo do Mundo Brasil
09/03/2015 | - Atualizado em 09/03/2015 - 17h57 Fernanda Bugallo
fernanda.bugallo@rac.com.br
Discutir sobre o tema "A Evolução, mudanças e desafios do Circo Social na América Latina nos últimos 10 anos e sua interface com as artes circenses" fez com que o artista e educador Emannuel Bochud e o psicólogo Mariano Lopes viessem para o país conversar sobre essas temáticas juntamente com a Rede Circo do Mundo Brasil. 
 
O evento faz parte de um encontro anual que acontece no Brasil e foi realizado no auditório da faculdade de Educação da Unicamp. 
 
A parceria entre a Rede e o Cirque du Soleil já dura há 15 anos e o Brasil é considerado pioneiro no quesito Circo Social. Essa união é feita por meio do Cirque du Monde que é um programa de ação social do Cirque du Soleil que utiliza as artes circenses como meio de intervenção junto a jovens de classes populares.
 
No mundo existem cerca 400 organizações que trabalham com o Circo Social e, só no Brasil, 18 instituições fazem parte da Rede recebem o apoio e treinamento dos formadores do Cirque du Soleil para replicar o conteúdo para todos que realizam o Circo Social. 
 
 Confira a entrevista com Emannuel Bochud, Mariano Lopes e Fátima Pontes (Coordenadora da Escola Pernambucana de Circo).