POLÊMICA
Frota se defende após ser chamado de estuprador
Frota teria apertado a nuca de uma mulher a ponto dela desmaiar enquanto mantinha relações sexuais
06/03/2015 | - Atualizado em 06/03/2015 - 20h48 Portal RAC
faleconoscorac@rac.com.br
Foto: Divulgação.
Alexandre Frota
Alexandre Frota
Alexandre Frota usou seu perfil do Facebook nesta quinta-feira (5) para se defender das acusações de que teria estuprado uma mãe de santo.

Frota contou no programa "Agora é Tarde" em maio do ano passado, mas que repercutiu agora por causa de uma reprise, que teria apertado a nuca de uma mulher a ponto dela desmaiar enquanto mantinha relações sexuais.

Relembre
- Palmirinha tasca beijo em Alexandre Frota
- Alexandre Frota revela que já beijou ator da Globo

O programa de Rafinha Bastos gerou grande número de manifestações na web, considerando o conteúdo ofensivo e criminoso para mulheres e representantes de religiões afro-brasileiras.

Um grupo no Facebook foi criado com o nome de: "Mutirão para levar Alexandre Frota para o camburão. Estupro é crime".

Em seu perfil, Frota fez um desabafo grande em sua página dizendo que "não é justo me chamar de estuprador". Ele explicou que tudo não passou de uma encenação para a divulgação do seu stand up comedy.

Relembre
- Programa relata suposto estupro feito por Frota
- Alexandre Frota lança biografia e revela que foi traído por Cláudia Raia

O apresentador também criticou o deputado federal Jean Wyllys: "Ele não me conhece, não sabe nada sobre minha vida, interpretou de maneira leviana, baixa e como quis o que eu e Rafinha Bastos fizemos no palco. Sinto muito, mas não ficará assim".

Em seu Facebook, o deputado criticou a declaração de Frota na Band e classificou a atitude como estupro. "Algumas pessoas talvez não entendam, mas isto não é uma aventura sexual. Isto é um ESTUPRO, com todas as letras, e que talvez só tenha sido contado agora porque o crime já tenha prescrito. Nem a plateia, em êxtase, nem o apresentador, questionaram em qualquer momento sobre a coação imposta antes e durante o ato, e até mesmo o fato de, em momento algum, aquela mulher ter concordado com o ato sexual", escreveu Willys.
 
Veja também