COMPORTAMENTO

Por que o Facebook é tão viciante?

Entenda como a ferramenta tem domínio sobre você e controle esse vício
04/03/2015 | - Atualizado em 04/03/2015 - 13h42 Mariane Montedori
mariane.montedori@rac.com.br
Foto: Divulgação
Uma pessoa viciada em redes sociais aplica uma importância muito maior no aplicativo do que ele realmente tem
Uma pessoa viciada em redes sociais aplica uma importância muito maior no aplicativo do que ele realmente tem


Acordar e dar aquela espiadinha no smartphone, quem nunca?.  Só pra checar se tem alguma mensagem no Facebook, áudio no Whatsapp, fotos descoladas no Instagram... Não que seja importante a ponto de me fazer perder a hora. Mas quem é que consegue ficar o dia todo sem dar uma olhadinha?

O Facebook é a rede social mais presente na vida do brasileiro. No total, o vício na rede social de Mark Zuckerberg já reúne 1,3 bilhão de seguidores. Mas o que faz com que nos tornemos  tão dependentes dessa rede?

Você também poderá se interessar por:
 
Ao olhar da psicologia, algo só é considerado um vício quando você não consegue se livrar dele, ainda que saiba o quão isso é importante. Acrescente isso ao fato de que algo não vai bem na pessoa. Pronto... temos alguém vulnerável. E aí entra a rede social. Explico: no caso do facebook, trata-se de uma rede pensada e formatada para nos manter lá. Nós temos não só nossos amigos e likes, mas também sugestões de contatos, produtos, jogos, páginas estabelecidas de acordo com um algoritmo que estuda nossas preferências. Tudo é fabricado para nos seduzir e, nos fazer sentir bem. Logo, se eu sou alguém que estou mal comigo mesma e descubro um local onde possa me sentir melhor...

Segundo a psicóloga Gisele Bortolini, a sensação de bem estar que adquirimos com a rede é obtida por meio da substância dopamina, conhecida como o "hormônio da felicidade". Quando o usuário tem algum problema pessoal e não consegue resolvê-lo, o Facebook se torna uma válvula de escape e, a cada nova notificação, a dopamina entra em ação mascarando a questão interna.

Outra função importante da substância é acostumar a pessoa a buscar várias vezes aquele mesmo estímulo de prazer. Uma pessoa viciada quer sempre mais notificações, mais amigos, mais páginas para curtir.

Você também poderá se interessar por:
- 5 dicas para usar o WhatsApp no trabalho

Se fosse só por isso, o 'face' não seria tão ruim. O problema é que a pessoa deixa de enfrentar a realidade para viver uma realidade 'conectada'. Ou seja, ela se desconecta de sua vida real, de seus problemas que precisam ser resolvidos e se priva de vivenciar felicidades reais, em prol de um momento de bem-estar que ela encontra na rede. 

Dessa forma, não há problema em checar as mensagens pela manhã. O problema mora no grau de importância que você aplica nesta atitude e na forma que ela pode atrapalhar o decorrer do seu dia a dia e, consequentemente, a sua vida também. 

Como me livrar desse mal?

Se você deixa de fazer suas obrigações para xeretar a vida alheia até mesmo em seus momentos livres, considere-se um 'viciado em facebook'. Neste caso, temos algumas sugestões para você deixar de viver momentos pequenos de bem-estar e começar a ver a vida como ela é. Com seus altos e baixos. 
 
1. Reflita sobre o seu dia e a quantidade de vezes que você acessa o aplicativo. A partir de então, trace metas e horários para usar o Facebook. Se for necessário no trabalho, por conta da comunicação, foque no trabalho. E só. Não permita-se desviar a atenção com anúncios ou publicações. Se checa sua mensagens no tempo livre, estabeleça um limite de tempo para isso. Exemplos:
- 'Só vou olhar meu face no almoço';
- 'Só responderei aquela mensagem quando terminar determinada tarefa';
- Vou entrar e fuçar no facebook apenas uma hora por dia. 
 
2. Quando sair em grupo, foque no grupo. E não estamos falando dos grupos do facebook e nem do whats. Uma boa brincadeira é montar torres de smatphones. Funciona assim: os aparelhos ficam empilhados em um canto da mesa e quem pegar primeiro terá que pagar a conta. Hehehe! Deu pra perceber que quanto mais pessoas no seu grupo, mais auxílio elas te darão na superação deste vício, não é?
 
3) Escolha um dia da semana para não entrar no Facebook. Neste dia, tente se concentrar em hobbys, atividades extras ou até mesmo pendências.

4) Procure trocar uma mensagem no Facebook ou um "parabéns" por uma ligação ou visita presencial. Fica tão mais humano! E vai causar uma ótima sensação no felizardo que a receber. 

5) A quinta e a mais importante: desabilite os alertas de notificações no celular e(ou) tablet para não ser instigado a olhar seu perfil. Porque resistir ao desejo já é difícil. Se ele fica ali piscando o tempo todo, é quase que uma superação de todo o seu ser.  

Se mesmo seguindo estas indicações, você sentir que ainda está dependente do Facebook, uma ajuda profissional pode ser a melhor opção. Busque por psicólogos, psicanalistas e até mesmo, em alguns casos, por um psiquiatra. 


Veja também