SINTOMAS

Sintomas que identificam que você tem endometriose

No Brasil, a estimativa é a de que 7 a 10 milhões de mulheres possuem o diagnóstico da doença
03/02/2015 | - Atualizado em 03/02/2015 - 09h11 Portal RAC
faleconoscorac@rac.com.br
Foto: Divulgação
A endometriose é uma doença feminina caracterizada principalmente por dores intensas
A endometriose é uma doença feminina caracterizada principalmente por dores intensas



Doença exclusiva das mulheres, a endometriose tem origem desconhecida e diagnóstico difícil. Ela acontece quando o endométrio, tecido que reveste a parede interna do útero, cresce em outras áreas. Na maioria dos casos, a região atingida é a pélvica, ovários, intestino, reto, a membrana que reveste a pélvis e a bexiga. Entretanto, pode alcançar órgãos mais distantes, como pulmão e sistema nervoso central. No Brasil, a estimativa é a de que 7 a 10 milhões de mulheres possuem o diagnóstico da doença.

O principal sintoma é a dor. Segundo o ginecologista e professor Carlos Alberto Petta, membro da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo (SOGESP), 80% das mulheres apresentam essa manifestação. 'A cólica menstrual é muito intensa nesses casos. A paciente pode ter, também, dor na relação sexual, alteração intestinal – quando o intestino fica solto durante a menstruação – e, às vezes, dores ao urinar', esclarece.
 
Você também poderá se interessar por:

Uma queixa frequente também é a dificuldade para engravidar, que acomete 50% das pacientes. A endometriose é uma das principais causas de infertilidade feminina no Brasil. Em pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira de Endometriose, a doença é responsável por 40% dos casos no país.

Foto: Divugalção.
Dores durante a relação sexual também são indícios de que algo errado está acontecendo
Dores durante a relação sexual também são indícios de que algo errado está acontecendo
Causa e prevenção


Com causa desconhecida, são diversas as possibilidades para sua ocorrência. Uma delas é a menstruação retrógrada, fenômeno comum, que causaria a endometriose dependendo do sistema imunológico da paciente. Quando células endometriais da menstruação voltam para dentro da pélvis por meio das trompas de Falópio, elas são implantadas e crescem tanto na cavidade pélvica quanto abdominal.

A relação com o estresse e ansiedade, tão presentes no atual ritmo de vida, deu à endometriose o apelido de 'doença das mulheres modernas'. 'Pode estar ligada à propensão genética, ou, até, ao nível de ansiedade, entre outros fatores. Por isso, não sabemos falar quais os mais importantes e conectá-los à sua intensidade e sintomas', explica Petta.

Desta forma, não existe prevenção. A patologia pode surgir em mulheres altamente estressadas, que comem muita gordura saturada e são sedentárias, assim como entre aquelas que seguem uma dieta balanceada, praticam atividade física e mantêm baixos níveis de estresse diário. No grupo de risco estão apenas as mulheres que apresentam casos na família.

Você também poderá se interessar por:
- Rotina completa de beleza para manter a pele sempre linda e saudável

Apesar do número de diagnósticos ser maior em mulheres com idade entre 25 e 35 anos, a doença pode ocorrer logo no início da menstruação regular. "É possível que apareça em qualquer idade, muitas vezes ainda na adolescência. O diagnóstico ocorre na idade adulta, uma vez que do início das queixas à confirmação demora até sete anos", ressalta o dr. Carlos Alberto Petta.

Tratamento

Não existe cura, apenas o controle da doença. Ela cessa com a menopausa, porque encerra o estimulo hormonal. O tratamento varia com a idade, gravidade dos sintomas e o desejo de ter filhos. Assim, é dividido em dois grupos: o clínico e o cirúrgico.

No primeiro caso, indica-se o uso de medicamentos para controle da dor, antiinflamatórios e analgésicos, além de exercícios e técnicas de relaxamento. Pode-se, também, optar pelo tratamento hormonal, com a interrupção do ciclo menstrual, criando um estado de pseudogravidez com administração de pílulas anticoncepcionais de estrogênio e progesterona e compostos específicos para o tratamento da endometriose como derivados de progesterona apenas e análogos do GnRH. Já para cirurgia, a opção é a laparoscopia, que retira ou destrói o tecido. Sempre se evita cirurgias mutilantes, com a preservação dos órgãos. A retirada de útero e ovários só é recomendada em casos graves quando a mulher não deseja mais ter filhos.

A conscientização sobre a endometriose é fundamental para a busca de diagnóstico e tratamento. "As mulheres precisam entender que não é normal sentir cólica muito forte todo mês. Não é normal tentar engravidar e não conseguir um ano depois. É preciso uma boa avaliação ginecológica, pois elas podem ter uma piora no quadro sem o acompanhamento de um profissional. Com o auxilio de especialistas, há uma melhora na qualidade de vida", conclui Petta.
 
Veja também