PREVENÇÃO

Cuidadores precisam ter atenção especial à saúde de pacientes com deficiência

Estudo revela que acesso a saúde bucal especializada não é suficiente para atender às necessidades
24/11/2014 | - Atualizado em 24/11/2014 - 13h14 Divulgação
faleconoscorac@rac.com.br
Pessoas com deficiências intelectuais enfrentam mais problemas de saúde oral por terem dificuldade em realizar prevenção por conta própria. Portanto, contam com cuidadores para assistência. Um novo estudo concluiu que acesso a saúde bucal especializada não é o suficiente para atender à todas as necessidades de pacientes com deficiências intelectuais ou de desenvolvimento e que muitos cuidadores precisam de treinamento adicional para promover apoio efetivo na saúde bucal domiciliar.

O estudo, que foi conduzido por pesquisadores da Universidade de Medicina Oral e de Medicina Tufts de setembro de 2011 à maio de 2012, é o primeiro a analisar fatores que influenciam a saúde bucal domiciliar por cuidadores nos adultos com deficiências intelectuais. Incluiu 808 cuidadores familiares pagos com extensa experiência no cuidado de adultos com deficiências intelectuais em residências familiares ou casas de assistência.

Os pesquisadores descobriram que 85% dos adultos com deficiência intelectual recebiam assistência na escovação de dentes. Embora 79% escovassem os dentes duas vezes ao dia e 22% usassem fio dental diariamente como recomendado, 45% reportaram nunca usar o fio dental. De acordo com os pesquisadores o uso do fio dental em particular apresenta um desafio substancial para esta população. Ademais, 63% dos cuidadores disseram que problemas comportamentais interferem com as rotinas de saúde bucal mais que qualquer outro fator.

Cuidadores desempenham um papel importante em prover cuidados bucais, enfatizaram os pesquisadores. No entanto os níveis de confiança e treinamento de membros da família e de cuidadores pagos diferem significativamente. Enquanto mais de 70% dos cuidadores pagos recebem treinamento formal em grupo acerca de saúde bucal, apenas 6% de cuidadores familiares reportam tê-lo recebido.

”Aqueles que desenvolvem as políticas devem também considerar estabelecer um sistema organizado que dê aos cuidadores, incluindo os familiares, informações e apoio”, afirmou John Morgan, co-investigador e professor associado do departamento de saúde pública e comunitária da escola de odontologia.

Cuidadores que participaram deste estudo visitaram quatro clínicas para pessoas com necessidades especiais administradas pela Tufs Dental Facilities, uma rede de clínicas que oferece serviços especializados para aproximadamente 7000 pessoas com deficiência intelectual anualmente e que apoia educação e pesquisas para melhorar a saúde bucal deste grupo de pacientes.
 
Fonte: Dental Tribune Brasil
 
Veja também



VEJA TAMBÉM