FIQUE SABENDO

Orelha mal formada tem solução cirúrgica

Especialista revela detalhes sobre a microtia, problema que afeta a estrutura física do órgão da audição
06/11/2014 | - Atualizado em 06/11/2014 - 17h58 Divulgação
faleconoscorac@rac.com.br
Foto: Divulgação
Orelha mal formada tem solução cirúrgica
Orelha mal formada tem solução cirúrgica
Uma orelha menor do que a outra ou a completa ausência de uma delas é como uma anomalia congênita de nome pouco conhecida, a microtia, pode se apresentar no corpo humano. A deformidade, que chega a atingir quatro a cada 10 mil pessoas no mundo, tem solução. De acordo com o cirurgião da equipe de cirurgia craniofacial do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos (SP), Maurício Yoshida, a reconstituição da orelha é a solução indicada.  

“O procedimento tem o objetivo de reconstruir a orelha externa em seu aspecto estético, sem qualquer alteração do ponto de vista da função de audição”, analisa. Identificada ainda durante a gestação, a microtia é definida como uma anomalia congênita da orelha externa que varia desde uma anormalidade estrutural leve até sua ausência completa. O problema pode ocorrer como manifestação clínica de uma síndrome.

O médico revela ainda que realiza a técnica a partir de cartilagens de costelas do próprio paciente, sendo esse procedimento realizado em dois tempos cirúrgicos. “Em alguns casos, quando a avaliação pré-operatória indica alto risco de insucesso com cartilagem de costela, considera-se a possibilidade de reabilitação do paciente com prótese”, explica.  

A reconstituição é indicada a partir dos dez anos de idade, e o paciente precisa ter uma circunferência torácica mínima de 60 centímetros. Antes, é necessário passar por exames pré-operatórios, que incluem avaliação clínica completa e também da região da orelha a ser reconstruída e da região torácica.

De acordo com Yoshida, o procedimento cirúrgico tem duração aproximada de quatro horas, e o paciente permanece internado por aproximadamente três dias. Depois de três meses, com acompanhamento médico continuo, a criança pode retomar todas as suas atividades. A cirurgia também é recomendada em casos de deformidade adquirida, como traumas e mordidas.
 
Veja também