CARREIRA

Intercâmbio: como escolher o tempo de duração do curso?

Quem decide que quer ficar um longo período, acima de 6 meses, deve fazer um planejamento detalhado dos custos
29/10/2014 | - Atualizado em 29/10/2014 - 20h15 divulgação
faleconoscorac@rac.com.br
Foto: Shutterstock
Muitos acreditam que o período curto não faz diferença no aprendizado da língua
Muitos acreditam que o período curto não faz diferença no aprendizado da língua
Há uma série de fatores que devem ser levados em consideração no momento de escolher o período que se ficará fora do país. O primeiro é a disponibilidade de tempo. Algumas pessoas se planejam para ficar fora do país por um longo período, mas outros precisam aprimorar o segundo idioma sem abandonar o trabalho, então se utilizam das férias ou de uma licença não remunerada que é concedida por algumas empresas.

Quem pretende ficar um longo período, precisa se organizar considerando alguns itens como o momento de embarcar, pensar na melhor época para deixar o trabalho ou os estudos sem ter prejuízos. Nesta fase muitos estudantes adiam o início da viagem ou trancam a faculdade, por exemplo. A segunda questão é a financeira, é preciso fazer os cálculos dos gastos e economizar para conseguir juntar o dinheiro para o curso e despesas em geral.

Quem decide que quer ficar um longo período, acima de 6 meses, deve fazer um planejamento detalhado dos custos. Com certeza, uma duração maior de curso trará mais gastos, mas ao mesmo tempo, trará um grande retorno para o aluno. Quem embarca para um curso de idioma, com dedicação, consegue ótimos resultados. Também deve se considerar o fato de que para longos períodos, alguns países permitem que o estudante trabalhe, o que é uma ótima maneira para se manter durante o tempo do curso.

Outro ponto que exige atenção é o visto para entrada no país de destino. O tipo de visto e forma de aplicar variam de acordo com o período do curso e com o destino. Alguns países, como a Irlanda, permitem que todo o procedimento seja feito diretamente do pais, ou seja, o aluno viaja com os documentos necessários, mas o processo é feito de lá. Outros países, como a Inglaterra, exigem o visto tirado no Brasil apenas para cursos de longa duração. Já países como Estados Unidos e Canadá obrigam que todo o procedimento seja feito do Brasil independente do tempo que o aluno ficará estudando. Para os países que fazem questão do visto, é necessário estar atento aos prazos antes de marcar a data do embarque.

Com tantas questões, é importante ter uma agência de intercâmbio qualificada, com consultores educacionais treinados para auxiliar o aluno em todas as etapas do planejamento do intercâmbio. Com esse apoio, fica mais fácil não se esquecer de nenhum detalhe e se programar levando em conta todas as necessidades.

Com um bom planejamento, é possível se encaixar no programa de intercâmbio que combine com o perfil e ainda fazer uma viagem tranquila. Os resultados de um período estudando fora do Brasil são muito positivos e trazem muitos benefícios pra quem encara essa aventura. E você, está pronto pra viver uma experiência no exterior?
 
Veja também