RETRATAÇÃO

Universidade britânica pede desculpas aos alunos do Ciência sem Fronteiras

E-mail que criticava falta de dedicação foi enviado a todos os intercambistas do programa na instituição
19/09/2014 | - Atualizado em 19/09/2014 - 19h40 Agência Brasil
faleconoscorac@rac.com.br
Foto: Divulgação
Universidade de Southampton fica na costa sul da Inglaterra
Universidade de Southampton fica na costa sul da Inglaterra
A Universidade de Southampton, na Inglaterra, enviou nesta sexta-feira (19) e-mail pedindo desculpas aos estudantes do Ciência sem Fronteiras pela mensagem enviada no último final de semana pela Science Without Bordes UK (SWB UK). Parceira internacional do programa no Reino Unido, a SWB UK reclamou da falta de dedicação dos alunos. A direção da universidade ressalta que a mensagem não deveria ter sido enviada a todos os estudantes.

"Quero pedir desculpas sinceras pelo e-mail enviado inapropriadamente pelo SWB UK", diz a nova mensagem. "Peço desculpas por isso e pelo fato de ter sido enviada a todos vocês". O e-mail foi enviado aos 38 bolsistas que ingressaram na universidade em 2013. "Entendo a frustração e a confusão que isso pode ter causado, especialmente pela dedicação que todos vocês tiveram".

O e-mail é assinado por Sara Higgins, do Departamento Internacional Latinoamericano da universidade. Ela disse que já havia solicitado ao parceiro do Ciência sem Fronteiras o envio de mensagem com as desculpas, mas que o recado só havia chegado a oito dos intercambistas.

Sara salientou que, em nenhum momento do ano passado, a universidade contactou o SWB UK pedindo que enviasse reclamação a todos os estudantes. Acrescentou que eles já foram informados de que se tratou de um erro administrativo.
 
A polêmica
 
Na primeira mensagem, a SWB UK dizia ter sido "contactada pela Universidade de Southampton, devido ao número considerável de reclamações em relação ao comparecimento e à aplicação nos estudos" e que a universidade cogitou "deixar de oferecer estágios para estudantes no futuro". O estágio é um componente central da bolsa e também um elemento obrigatório.

Em resposta à Agência Brasil, Sara informou que a universidade "está orgulhosa por fazer parte do Ciência sem Fronteiras e que espera receber número cada vez maior de estudantes de alta qualidade". Ela ressaltou que a universidade recebeu 18 estudantes em 2012, 38 no ano passado e receberá outros 33 no fim deste mês. Localizada na cidade de Southampton, na costa sul da Inglaterra, a universidade ocupa posição de destaque no ranking de instituições voltadas para a pesquisa.

De acordo com os bolsistas, tanto em Southampton quanto em programas de outros países há casos de estudantes que utilizam o dinheiro público para fins não acadêmicos. Muitos atribuem isso à falta de controle das atividades desempenhadas e ao fato de que, em muitos casos, não têm de prestar contas do que fazem.

O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, informou que esse controle é de responsabilidade dos "parceiros internacionais capacitados", aos quais cabem "fazer o acompanhamento dos estudantes quanto a problemas de relacionamento com a universidade, de adaptação à cultura, problemas de saúde e de desempenho acadêmico". Conforme o CNPq, isso ocorre em todos os países conveniados ao programa.

Veja também